Home
Brasil pode ter instituto para estudar o câncer e novas abordagens terapêuticas
Ter, 23 de Setembro de 2014 13:43

Um dos projetos enviados ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) sugere a criação do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Células-Tronco e Terapia Celular no Câncer (INCTC), que seReunião aprovado, fará parte do programa do governo federal, agências de fomento e fundações de amparo à pesquisa que criou o INCT.


A proposta enviada ao CNPq constitui a continuidade e a ampliação das atividades do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Células-Tronco e Terapia Celular, um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia criados pelo CNPq/FAPESP em 2008. O resultado da seleção das propostas está previsto para março de 2015.

O INCTC, se aprovado, prevê estudos básicos para o entendimento da biologia do câncer, desenvolvimento de novas terapias e estudos pré-clínicos e clínicos. Entender e combater essas células resume a proposta de continuidade do INCTC. Entre as terapias, foram incluídas a imunoterapia e a nanomedicina, que deverão originar estudos pré-clínicos e clínicos em uma variada gama de neoplasias.


O gerenciamento do INCTC será realizado pelas áreas técnicas e administrativas da Fundação Hemocentro de Ribeirão Preto (FUNDHERP). Caberá ao coordenador e vice-coordenador do INCTC, apoiados pelo Comitê Gestor, o acompanhamento do cumprimento das metas relacionadas as atividades de pesquisa, educacionais, transferência de tecnologia e gestão administrativo-financeira.


A gestão dos recursos ficará centralizada na coordenação de gestão, responsável por acompanhar o desenvolvimento técnico-financeiro do projeto, inclusive definindo prioridades de aplicação em função do cronograma de liberação dos recursos juntamente com o Comitê Gestor, também responsável pela centralização das informações utilizadas na elaboração dos relatórios científicos.